Política

Policiais no Congresso norte-americano: máfia racista em nossas fileiras!

O movimento operário deve se unir contra os fascistas e a polícia, que são inimigos da classe trabalhadora e dos oprimidos. Segue abaixo a declaração do grupo “SEIU-Abandone a Polícia” acerca do ataque ao Capitólio.

terça-feira 19 de janeiro| Edição do dia

A invasão do Capitólio (congresso estadunidense) em 6 de janeiro por grupos de supremacistas brancos e grupos de direita, por instigação do presidente Donald Trump, chocou o mundo e expôs a crise social e política nos Estados Unidos. Em vez de ser resultado, especificamente de Trump e do Trumpismo, os eventos do dia 6 foram o resultado de décadas e também o último sintoma dos últimos 40 anos de ataques neoliberais bipartidários aos trabalhadores, aos pobres, negros, indígenas e demais grupos oprimidos.

Desde o ataque de Reagan ao sindicato dos controladores de tráfego aéreo em 1981, o fim do "bem-estar social como o conhecemos" por Clinton, a colaboração entre Biden e a polícia no projeto de lei do crime de 1994 e a ameaça de Obama de usar a Guarda Nacional contra uma greve de Trabalhadores da Longshore em 2012 - os trabalhadores e demais grupos oprimidos estiveram na defensiva para proteger os ganhos sociais, econômicos e políticos conquistados na luta. Enquanto isso, o sistema político dominante, a serviço do 1% de cima, continua seus ataques incessantes ao progresso alcançado por movimentos sociais dos últimos 100 ou mais anos que conquistaram a jornada de trabalho de 8 horas, previdência social, direito de voto feminino, um poderoso movimento sindical, o fim das leis de segregação racial (lei Jim Crow), acesso à justiça reprodutiva, casamento gay e muito mais.

Os protestos pelo assassinato de George Floyd, um homem negro que foi asfixiado até a morte por um policial branco em 2020 despertaram 16-24 milhões de lutadores antirracistas que fizeram história exigindo um novo mundo, um mundo sem polícia, a qual por 300 anos, aterroriza comunidades negras, indígenas, trabalhadores e todo e qualquer movimento que luta por um mundo baseado na justiça, democracia e igualdade.

Não foi nenhuma surpresa, dado o fato de compartilharem da ideologia dominante de supremacia branca e outras visões retrógradas, que a polícia tenha colaborado com os grupos de direita no dia 6 de janeiro. Não achamos nenhum conforto, portanto, que todas as lideranças sindicais tenham endossado Joe Biden, que, em meio aos protestos por Floyd e a enorme crise econômica suportada pelos trabalhadores e setores oprimidos, pediu $ 300 milhões para a polícia, com a autointitulada “Melhor Policial” (“Top Cop”) Kamila Harris ao seu lado e o ex-presidente Obama manipulando inescrupulosamente o movimento por exigir a retirada de recursos para a polícia.

Os barões da tecnologia que controlam a comunicação da mídia social moderna bloquearam Trump e alguns de seus acólitos, mas isso indica o poder desenfreado de um punhado de bilionários cuja censura já foi usada contra os críticos de esquerda do sistema vigente. Acreditamos que para fazer frente aos ataques da direita e a violência da supremacia branca, nosso movimento deve superá-los na mobilização, organizando os trabalhadores e os milhões de combatentes antirracistas do verão passado. O futuro de nossa luta reside em nosso próprio poder, não no poder do 1%.

“SEIU-Abandone a Polícia”, nascido das inspiradoras mobilizações por Floyd, exige que a liderança do SEIU, um dos maiores sindicatos estadunidense, deixe de organizar em suas fileiras os supostos 15.000 policiais hoje filiados. Se o assassinato de Rayshard Brooks em Atlanta por dois policiais membros do SEIU/NAGE não foi suficiente, é preciso que vejam a mobilização maciça de policiais armados e violentos em todo o país contra as manifestantes antirracistas pacíficas no verão passado. Foi escandaloso a polícia em Kenosha, Wiscosin colaborando com o supremacista branco Kyle Rittenhouse, que assassinou dois manifestantes anti-racistas. Enquanto isso, a presidente da SEIU, Mary Kay Henry, em 7 de novembro, disse a um de nossos irmãos que seu foco é tentar fazer com que a polícia resolva a injustiça racial. “Não vou desistir deles”, disse ela. “SEIU-Abandone a Polícia” se pergunta o que aconteceu com a declaração dela em junho passado, quando ela disse que a polícia em nossas fileiras estava em um momento "de que lado você está?" e que a expulsão da polícia do movimento sindical “tem que ser considerada”. A participação democrática da base do sindicato deve ser central para essa decisão crítica.

Em tempos de crise econômica, democratas e republicanos historicamente recorreram a medidas de austeridade contra os trabalhadores para pagar resgates de trilhões de dólares aos ricos. E quando os trabalhadores contra-atacam, a polícia é colocada contra nossas greves justas, como testemunhamos durante a greve da SEIU Associação de Enfermeiros da Califórnia em 2020 contra o sistema do Sistema de Saúde Alameda por trabalho seguro em relação ao Covid-19 e outras demandas. A polícia protegeu um ônibus cheios de ratos fura-greve. Quando nossas casas deveriam ser refúgios seguros contra a pandemia, a crise de despejo que se aproxima virá junto com o cano das pistolas da polícia.

Está claro para o grupo “SEIU-Abandone a Polícia” e nossos irmãos na AFL-CIO que a polícia nunca esteve do lado dos trabalhadores: cada ação do trabalho organizado desde o seu início foi contestada, muitas vezes violentamente, pela polícia, que serve apenas para proteger a propriedade privada dos ricos, desde os bens dos escravocratas até o cortiço do senhorio.

A polícia é inimiga da classe trabalhadora e não deve permanecer mais um dia em nossas fileiras. Precisamos de uma unidade revigorada entre os trabalhadores organizados e os grupos oprimidos em um movimento de massa politicamente independente para lutar contra a ascensão da supremacia branca e do fascismo.

• Nenhum policial em nossos sindicatos!

• Organizar os não-organizados!

• Por um programa de empregos em massa!

• Ação política independente das massas para lutar contra a supremacia branca e o fascismo!




Tópicos relacionados

Sindicatos   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar